31 de outubro de 2010

Paulo Ferreira

Paulo Renato Rebocho Ferreira nasceu no dia 18 de Janeiro de 1979 em Cascais.
Com apenas 10 anos entrou para as escolas do Grupo Dramático e Sportivo de Cascais. em 1995 e com 16 anos mudou de ares e ingressou nos juniores do G.D. Estoril Praia e foi no clube canarinho que se estreou a senior na temporada de 1997/98, tendo representado os estorilistas mais duas épocas. Em 2000/01 transferiu-se para o V. Setubal onde esteve dois anos e passou a jogar com mais regularidade, começando a despertar o interesse dos maiores clubes nacionais.
No início da temporada de 2002/03 foi contratdo pelo Futebol Clube do Porto. A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 25 de Agosto de 2002 no Estádio das Antas, onde os portistas receberam e empataram 2-2 com o C.F. Belenenses, num jogo a contar para a 1ª jornada do Campeonato Nacional de 2002/03.
Logo na sua primeira época de azul e branco, Paulo Ferreira agarrou a títularidade na equipa orientada por José Mourinho e sagrou-se Campeão Nacional, venceu a Taça de Portugal e sobretudo conquistou a Taça UEFA.
Na temporada seguinte, além de já se afirmar como uma certeza no panorama futebolístico nacional, começou por conquistar a Supertaça Cândido de Oliveira e repetiu a vitória no Campeonato Nacional. Mas a maior conquista até então da sua carreira estava destinada para o dia 26 de Maio de 2004 na cidade alemã de Gelsenkirchen, quando venceu a Liga dos Campeões.
No final dessa época de 2003/04 já eram muitos os grandes emblemas europeus interessados em o contratar e acabou por deixar os Dragões. Nas duas temporadas que Paulo Ferreira representou o F.C. Porto, conquistou 6 Títulos e disputou 99 jogos oficiais.
Em 2004/05 foi contratado pelo Chelsea F.C., no clube de Londres esteve durante nove temporadas, onde venceu por três vezes o Campeonato de Inglaterra, conquistou quatro Taças de Inglaterra, ganhou duas Taças da Liga, venceu duas Supertaças e voltou a conquistar a Liga dos Campeões em 2011/12 e repetiu o triunfo na Liga Europa em 2012/13. No final da época de 2012/13 colocou um ponto final na sua carreira.
Continuou a sua ligação ao Chelsea F.C. como Director de Relações Institucionais.
Paulo Ferreira representou a Selecção Nacional por 62 vezes. Esteve presente nos Campeonatos da Europa de 2004 e 2008 e nos Campeonatos do Mundo de 2006 e 2010.
No dia 25 de Julho de 2014 esteve presente no Estádio do Dragão onde voltou a vestir a camisola do Futebol Clube do Porto para o jogo de despedida e homenagem a Deco.

Palmarés
2 Liga dos Campeões
2 Taça UEFA / Liga Europa
2 Campeonatos Nacionais da 1ª Divisão (Portugal)
3 Campeonatos de Inglaterra
1 Taça de Portugal
4 Taças de Inglaterra
1 Supertaça Cândido de Oliveira
2 Supertaças de Inglaterra
2 Taças da Liga Inglesa

24 de outubro de 2010

Tibi

António José Oliveira Meireles (Tibi), nasceu no dia 9 de Abril de 1951 em Matosinhos.
Formado nas camadas jovens do Leixões S.C., Tibi, que trabalhava numa oficina de mecanico como aprendiz, não demorou a deixar as ferramentas e passar apenas a jogar futebol.
Corria a temporada de 1969/70 quando Tibi, ainda a jogar pelos juniores, integrou o plantel principal dos leixonenses. A estreia na baliza da equipa principal teve lugar no Estádio do Mar, quando teve que entrar para substituir o seu companheiro Ferreira que se lesionou aos 68 minutos, o adversário era o vizinho Boavista F.C. que já vencia o jogo por 5-1 e no final ganhou por 6-2, num jogo que valeu para a 11ª jornada do Campeonato Nacional de 1969/70, no dia 14 de Dezembro de 1969.
Até ao final da época de 1971/72, foi o dono da baliza dos matosinhenses. Disputou 65 jogos oficiais.
No inicio da temporada de 1972/73 ingressou no Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola do F.C. Porto aconteceu no dia 20 de Maio de 1973 no Estádio das Antas quando os portistas receberam e venceram o Boavista F.C. por 1-0, num jogo a contar para a 28ª jornada do Campeonato Nacional de 1972/73.
Em 1976/77 venceu a Taça de Portugal, apesar de não ter disputado o jogo da final, Tibi foi títular nos jogos dos 32 avos-de-final contra o S.C. Alba (vitória do F.C. Porto por 8-0) e nos oitavos-de-final contra o Aliados Lordelo (vitória do F.C. Porto por 9-0).
Na temporada de 1977/78 foi emprestado ao Varzim S.C. e na temporada seguinte ao F.C. Famalicão, tendo regressado às Antas em 1979/80. Ainda representou o F.C. Porto durante mais quatro épocas, no entanto apenas jogou na época de 1980/81 quando venceu a Taça Associação de Futebol do Porto. nas outras 3 épocas não jogou nenhuma partida.
Em 1983/84 mudou-se para o R.D. Águeda, na época seguinte ingressou no G.D. Mangualde, em 1985/86 e 1986/87 representou o S.C. Espinho, na temporada de 1987/88 defendeu a baliza do F.C. Maia, e na época seguinte defendeu a baliza do G.D. Vila Nova de Foz Côa, clube onde terminou a sua carreira.

Palmarés
1 Taça de Portugal
1 Taça Associação de Futebol do Porto

17 de outubro de 2010

Taça Inauguração do Estádio da Luz

No dia 1 de Dezembro de 1954, o Futebol Clube do Porto deslocou-se a Lisboa a convite do S.L. Benfica para participar na inauguração do Estádio da Luz.
Os portistas levaram 150 atletas que foram muito bem recebidos pelos adeptos adversários. Coube a Valdemar Mota empunhar o estandarte do F.C. Porto durante o desfile solene.
Antes da partida de futebol entre as duas equipas, o capitão Virgílio entregou uma placa comemorativa ao capitão benfiquista.
O F.C. Porto alinhou com: Barrigana; Virgílio e Ângelo Carvalho; Pedroto, Valle e Joaquim Machado; Carlos Duarte, Hernâni, António Teixeira, Monteiro da Costa e José Maria. Jogaram ainda: Fernando Perdigão, Eleutério e Carlos Vieira.
Os Dragões venceram a partida por 3-1 com os golos da vitória a serem apontados por: Jacinto na própria baliza, Carlos Duarte e Fernando Perdigão.
Anos mais tarde, Ângelo Carvalho recordou esse dia em que esteve presente no Estádio da Luz: “É com muita satisfação que recordo esse jogo em que vencemos o Benfica por 3-1. Mas terei de começar por falar da inauguração do nosso Estádio, em que perdemos por 8-2. Foi anormal, pois estivemos muitas horas de pé a ouvir discursos e quando ao intervalo perdíamos por 3-1 O Barrigana encontrou-se indisposto e teve que ser substituído pelo Graça, e depois tudo correu tão mal que perdemos por 8-2. Ficámos muito tristes e quando fomos a Lisboa, em 1 de Dezembro de 1954, a malta, antes do jogo, prometeu vingar-se dessa derrota. Jogámos muito bem e poderíamos até ter ganho por mais, pois o Perdigão atirou uma bola ao poste que teria feito o 4-1. No fim foi uma festa, estávamos vingados. Regressamos ao Porto de comboio, saímos em S.Bento, onde nos esperava uma multidão imensa. Fomos levados em triunfo até à antiga sede, na agora Praça General Humberto Delgado e viemos à janela mostrar o Troféu que, ainda me lembro, era bastante pesado. À saída da estação o entusiasmo era tão grande que me recordo ter perdido um sapato no meio da confusão. Mas valeu a pena ficar descalço, pois foi uma vitória que ficou a compensar a derrota nas Antas e o Troféu era muito bonito. Enfim, bons tempos que tenho imenso gosto em recordar.”

10 de outubro de 2010

Raul Meireles

Raul José Trindade Meireles nasceu no dia 17 de Março de 1983 no Porto.
Passou por todos os escalões de formação do Boavista F.C. até chegar a sénior na temporada de 2001/02, foi então emprestado ao C.D. Aves onde jogou durante duas temporadas, tendo regressado ao clube do Bessa em 2003/04.
No início da época de 2004/05 transferiu-se para o Futebol Clube do Porto.
A sua estreia com a camisola dos Dragões aconteceu no dia 22 de Setembro de 2004 no Estádio do Dragão onde os portistas receberam e empataram 1-1 com o União de Leiria 1-1, num jogo a contar para a 1ª jornada do Campeonato Nacional de 2004/05.
Ao serviço dos Dragões, Raul Meireles manteve-se durante seis épocas e ainda iniciou a temporada de 2010/11. Junto com Paulo Assunção e Lucho González, formou um dos melhores meio-campo do F.C. Porto.
No período de tempo em que jogou de Dragão ao peito, conquistou quatro Campeonatos Nacionais, venceu três Taças de Portugal, quatro Supertaças Cândido de Oliveira e a Taça Intercontinental. Curiosamente a ultima vez que vestiu a camisola azul e branca foi no jogo em que conquistou a sua ultima Supertaça Cândido de Oliveira, no dia 7 de Agosto de 2010 quando os Dragões venceram o S.L. Benfica por 2-0 e Raul Meireles substituiu João Moutinho aos 82 minutos.
Pelo F.C. Porto conquistou 12 Títulos, disputou 192 jogos oficiais e marcou 19 golos.
No dia 28 de Agosto de 2010 transferiu-se para o F.C. Liverpool. Um ano depois mudou-se para Londres, para ingressar no Chelsea F.C., no clube londrino venceu a Taça de Inglaterra, a Taça da Liga inglesa e a tão desejada Liga dos Campeões no dia 19 de Maio de 2012. Em 2012/13 rumou ao Fenerbahçe S.K. onde venceu a Taça da Turquia dessa mesma época, já na temporada de 2013/14 sagrou-se Campeão da Turquia e conquistou a Supertaça turca. No final da época de 2015/16 deixou o clube de Istambul.
Raul Meireles representou a Selecção Nacional por 76 vezes e marcou 10 golos. Esteve presente nos Jogos Olímpicos de 2004, Nos campeonatos da Europa de 2008 e 2012 e nos Campeonatos do Mundo de 2010 e 2014.

Palmarés
1 Taça Intercontinental
1 Liga dos Campeões
4 Campeonatos Nacionais da 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato da Turquia
3 Taças de Portugal
1 Taça de Inglaterra
1 Taça da Turquia
4 Supertaças Cândido de Oliveira
1 Supertaça da Turquia
1 Taça da Liga de Inglaterra

3 de outubro de 2010

Correia Dias

Manuel Belo Correia Dias nasceu no dia 24 de Março de 1919 em Ovar.
Fez toda a formação nas camadas jovens ao serviço do Futebol Clube do Porto e na temporada de 1939/40 estreou-se na equipa principal dos Dragões numa partida contra o Leça F.C. no dia 22 de Outubro de 1939 no Campo da Constituição, um jogo a contar para a 3ª jornada do Campeonato do Porto da temporada de 1939/40 que os Dragões venceram por 3-1 e onde Correia Dias se estreou a marcar ao apontar o terceiro golo dos portistas.
Esteve ao serviço do F.C. Porto durante 8 temporadas tendo conquistado o Campeonato do Porto por 5 ocasiões (1942/43, 1943/44, 1944/45, 1945/46 e 1946/47).
Foi o melhor marcador do Campeonato Nacional da época de 1941/42 ao apontar 36 golos em 21 partidas.
Apesar de ser um avançado forte fisicamente, alto e bastante corpulento, Correia Dias esteve mesmo para abandonar a competição no final da temporada de 1946/47, mas o novo treinador, Eládio Vascheto, conseguiu demover o jogador dessa ideia e assim Correia Dias continuou a vestir a camisola azul e branca. Mas para isso, foi como que obrigado a receber salário, ele que nunca tinha sido remunerado e sempre tinha jogado por amor à camisola. Aceitou a condição e explicou-a numa entrevista que deu em 1948 à revista Stadium: “Eu acho o profissionalismo perfeitamente aceitável. É mesmo honroso ser profissional. Se eu precisasse do futebol acredito que receberia desde há muito. Mas, como isso não se tem dado, nunca pensei nas remunerações do clube. Agora posto o problema da disciplina e das obrigações, considerada necessária a minha inclusão na equipa do clube, nestas condições, acedi e ganho. Pronto.”
Correia Dias quando aceitou continuar a sua carreira de certeza que nunca pensou que viria a fazer parte de um dos maiores feitos da história do futebol português. A vitória do F.C. Porto contra o Arsenal F.C. no dia 7 de Janeiro de 1948 por 3-2, com dois golos de sua autoria.
Já em 1949, mais precisamente no dia 16 de Janeiro, realizou o seu último jogo como futebolista. Foi contra o S.C. Olhanense no estádio da Constituição. Nesse dia ainda marcou um golo, que foi o seu último, o 110º em 114 jogos.

Palmarés
5 Campeonatos do Porto