28 de janeiro de 2013

André Villas-Boas

Luis André de Pina Cabral e Villas-Boas nasceu no dia 17 de outubro de 1977 na cidade do Porto.
Bisneto de José Geraldo Coelho Vieira Pinto do Vale Peixoto de Villas-Boas (Visconde de Guilhomil), começou desde cedo, como a maioria dos jovens, a interessar-se pelo mundo do futebol.
Passou pelos juniores do Ramaldense F.C. e pelo C.F. Marchal Gomes da Costa.
Em 1994 e aproveitando o facto de ter como vizinho o então treinador do Futebol Clube do Porto, Bobby Robson, o jovem André teve a “ousadia” de escrever uma carta ao técnico inglês onde fazia referencia que com Domingos em vez de Yuran a equipa portista ficaria mais eficaz. Robson convidou Villas-Boas a ver o treino dos Dragões para então ele poder ver o porquê de Yuran ser o titular.
Depois deste primeiro encontro, Bobby Robson foi o responsável pelo início da carreira de treinador de Villas-Boas, já que por sua influência o jovem André teve entrada numa escola inglesa com apenas 17 anos, quando o podia fazer depois dos 18 anos.
Em 1999 e terminado o curso rumou as Ilhas Virgens Britânicas para ser o coordenador do futebol juvenil, tendo sido mais tarde promovido a diretor técnico.
Ainda no ano de 1999, ingressou no F.C. Porto para orientar a formação de sub-15 e depois a de sub-17. Mudou mais tarde de funções e passou a observador e foi nesse cargo que integrou a equipa técnica de José Mourinho tendo acompanhado o treinador setubalense no F.C. Porto, no Chelsea F.C. e no F.C. Inter de Milão.
Em outubro de 2009 dá um novo rumo à sua carreira e assume o comando técnico da Académica de Coimbra.
Na temporada de 2010/11 regressa ao F.C. Porto mas desta vez para ser ele o técnico principal. Começou por conquistar a Supertaça Cândido de Oliveira depois de uma vitória por 2-0 sobre o recente Campeão Nacional, devolveu o campeonato aos Dragões onde em 30 jornadas os portistas venceram 27 partidas e empataram 3, Venceu a Taça de Portugal com uma categórica vitória na final por 6-2 sobre o V. Guimarães e levou de volta os portistas às vitórias internacionais com a conquista da Liga Europa. Uma época de sonho e que fez o milionário Roman Abramovich abrir os cordões à bolsa para o levar de volta a Stamford Bridge.
Tal como tinha acontecido no F.C. Porto, Villas-Boas voltava ao Chelsea F.C. para ser e treinador principal, no entanto o sucesso não acompanhou o técnico português e em março de 2012 é dispensado.
Em 2012/13 assumiu o comando do Tottenham Hotspur F.C. No inicio de 2014 surpreendentemente foi dispensado dos londrinos e ingressou no F.K. Zenit da Russia onde reencontrou Hulk, ambos sagraram-se campeões da liga russa em 2014/15. Já no inicio da época de 2015/16 conquistou a Supertaça da Russia e terminou essa mesma temporada e a sua ligação ao clube russo com a vitória na Taça da Russia. Em Novembro de 2016 abraçou um novo desafio na sua carreira ao comandar a equipa técnica dos chineses do Shanghai SIPG F.C.

Palmarés
1 Liga Europa
1 Campeonato Nacional 1ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato da Russia
1 Taça de Portugal
1 Supertaça Cândido de Oliveira
1 Taça da Russia
1 Supertaça da Russia

21 de janeiro de 2013

Camilo Moniz

Camilo Moniz foi um dos primeiros futebolistas a vestir a camisola do Futebol Clube do Porto.
Representou os Dragões entre os anos de 1908 e 1923 e dessa forma, ajudou a conquistar a primeira taça do F.C. Porto na temporada de 1912/13, a Taça Clube União do Norte, que para além dos portistas era também disputada por Leixões S.C., Boavista F.C. e S.C. Salgueiros.
Venceu ainda por duas vezes a Taça Associação de Futebol do Porto, conquistou por oito ocasiões o Campeonato do Porto e foi Campeão de Portugal em 1921/22.
Foi também um prestigiado jogador de Ténis, sempre ao serviço do F.C. Porto.
Ocupou vários cargos administrativos. Foi secretário-geral, vice-presidente e em Setembro de 1936 presidiu os destinos do clube. Mais tarde, passou pelo conselho técnico do clube e foi vice-presidente da Federação Portuguesa de Futebol.
Depois de falecer, em jeito de o homenagear, a Associação de Futebol do Porto, organizou uma competição com o seu nome.

Palmarés
1 Campeonato de Portugal
8 Campeonatos do Porto
2 Taças Associação de Futebol do Porto

14 de janeiro de 2013

Balbino da Silva

José Balbino da Silva nasceu no dia 23 de Março de 1896 em Alcoentre.
Jogador que atuava a interior-direito mas que também chegou a jogar na esquerda e no centro do ataque portista, Balbino tinha um excelente toque de bola e foi um dos melhores que na década de 1920 passou pelo Futebol Clube do Porto, tendo se sagrado Campeão de Portugal nas temporadas de 1921/22 e 1924/25 ao serviço dos Dragões.
Com a camisola azul e branca ainda venceu por doze vezes o Campeonato do Porto.
Depois de deixar o F.C. Porto ainda passou pelo Casa Pia A.C.
Apesar de ser natural de Lisboa, Balbino, quando abandonou o futebol, regressou à cidade do Porto onde viveu até ao final da sua vida.
Foi ainda o segundo jogador internacional portista, já que marcou presença no dia 16 de Dezembro de 1922 numa partida realizada em Espanha contra a Seleção local e em que Portugal saiu derrotado por 3-0.

Palmarés
2 Campeonatos de Portugal
12 Campeonatos do Porto

7 de janeiro de 2013

Gualter

Manuel Gualter Martins da Costa nasceu no dia 6 de agosto de 1945 na cidade de Guimarães.
Desde tenra idade que o futebol o fascinou, e assim foi sem surpresa que, ainda adolescente, ingressou nas camadas jovens do V. Guimarães.
De início, ainda teve que dividir os pontapés na bola com o trabalho de mecânico, mas o futebol acabou por levar a melhor.
Na temporada de 1963/64 estreou-se na equipa principal dos vimarenenses, onde se manteve durante seis temporadas e onde começou a despertar a cobiça dos principais clubes nacionais.
No início da temporada de 1969/70 transferiu-se para o Futebol Clube do Porto e teve o jogo de estreia com a camisola dos Dragões no estádio do Restelo no dia 7 de setembro, numa partida que terminou com um empate 1-1.
Do jogo da sua estreia oficial pelo F. C. Porto, contra o Belenenses, no Restelo, Gualter guarda este episódio curiosíssimo:
- Julgando envergar, ainda, a camisola do V.Guimarães e porque o Belenenses alinhou nesse jogo de camisola branca, passei quase toda a primeira parte a colaborar (involuntariamente, já se vê) com o extremo esquerdo da equipa lisboeta. Correndo pela extrema-direita como era meu hábito quando jogador do Vitória, acabava por passar a bola ao número 11 de Belém, muito convencido de que estava a jogar para um colega. Só mais tarde quando dei pela confusão, é que passei a produzir algo mais para a equipa azul e branca, mas sem nunca ter atingido a produção normal.
Em dezembro de 1969 sofreu uma grave lesão que lhe poderia ter custado a carreira. Voltou aos relvados em março do ano seguinte e começou desde essa altura a ser um dos jogadores fundamentais do plantel portista.
Apesar de não ter conquistado nenhum título, Gualter venceu algumas partidas importantes. À cabeça vem logo o jogo em que o F.C. Porto goleou o S.L. Benfica por 4-0 com todos os golos a serem apontados pelo Lemos. Ainda a primeira eliminatória da Taça UEFA da temporada de 1972/73 em que os portistas venceram nos dois jogos o F.C. Barcelona.
No final da temporada de 1973/74 deixou o F.C. Porto.
Faleceu no dia 29 de Julho de 2015.