17 de fevereiro de 2008

Ricardo Carvalho


Ricardo Alberto Silveira Carvalho nasceu no dia 18 de Maio de 1978 em Amarante.
Desde que passou a sénior na temporada de 1997/98, Ricardo Carvalho teve um período de aprendizagem onde foi emprestado a diversos clubes até se afirmar em definitivo no Futebol Clube do Porto.
Na época de 1997/98 representou o F.C. Leça no seu ano de estreia como sénior.
Na temporada seguinte regressou ao F.C. Porto onde fez a sua estreia com a camisola azul e branca num jogo contra o S.C. Salgueiros.
Foi novamente emprestado ao Vitoria de Setúbal em 1999/00 e ainda passou pelo Alverca F.C. na época de 2000/01, até que na temporada seguinte conquistou um lugar em definitivo no plantel da equipa portista orientada na altura por Octávio Machado.
O salto para o estrelato aconteceu na temporada de 2002/03 onde foi um dos esteios da defesa do F.C. Porto sagrando-se Campeão Nacional e Vencedor da Taça de Portugal, a juntar a tudo isso conquistou ainda a Taça UEFA na final realizada na cidade espanhola de Sevilha, um jogo em que o Futebol Clube do Porto venceu a equipa escocesa do Celtic de Galsgow.
Na época seguinte, 2003/04, Ricardo Carvalho foi ainda mais importante no eixo da defesa da equipa de José Mourinho, já que foi titular indiscutível, e de novo ajudou o F.C. Porto a vencer de forma clara o campeonato e a sagrar-se Bi-Campeão Nacional, á conquista no campeonato juntou ainda a vitória na Supertaça. Mas a principal conquista da carreira de Ricardo Carvalho aconteceu no dia 26 de Maio em Gelsenkirchen onde o Futebol Clube do Porto venceu na final de forma clara, a equipa do A.S. Mónaco, e sagrou-se Campeão Europeu. Foi esse o último jogo de Ricardo Carvalho com a camisola do F.C. Porto, já que na época seguinte ingressou no Chelsea F.C. ao protagonizar uma transferência milionário de 30 milhões de euros.
No clube de Londres jogou durante cinco temporadas em que venceu por três vezes o campeonato, duas vezes a Taça de Inglaterra, a Supertaça de Inglaterra e a Taça da Liga de Inglaterra. Em 2010/11 rumou a Espanha para representar o Real Madrid. No clube espanhol venceu a Taça de Espanha logo na primeira temporada e o campeonato em 2011/12. Em 2013/14 viajou até França para ingressar no A.S. Mónaco, clube que representou até ao final da época de 2015/16.
Ricardo Carvalho já representou a Selecção Nacional por diversas vezes. Esteve presente nos Campeonatos do Mundo de 2006 e 2010 e nos Campeonatos da Europa em 2004, 2008 e 2016, este ultimo que Portugal venceu e se sagrou Campeão da Europa.
No dia 25 de Julho de 2014 voltou a vestir a camisola do Futebol Clube do Porto e a pisar o relvado do Estádio do Dragão para o jogo de homenagem e despedida de Deco.

Palmarés
1 Campeonato da Europa Selecções (Portugal)
1 Liga dos Campeões
1 Taça UEFA
3 Campeonatos Nacionais da 1ª Divisão (Portugal)
3 Campeonatos de Inglaterra
1 Campeonato de Espanha
2 Taça de Portugal
2 Supertaças Cândido de Oliveira
2 Taças de Inglaterra
2 Supertaças de Inglaterra
2 Taças da Liga (Inglaterra)
1 Taça de Espanha

4 comentários:

dragao vila pouca disse...

Ó Paulo,não tenho a certeza absoluta, mas, acho que o Ricardo se estreou no F.C.Porto pela mão do F.Santos num F.C.Porto 4- Salgueiros 1,tendo estado na origem do golo salgueirista com passe mal executado. Seja como for o amarantino é um grande craque, um grande profissional e um grande homem.

Paulo Moreira disse...

Vou procurar averiguar isso. Agora também fiquei na duvida.

miguel87 disse...

Para mim é simplesmente o melhor central do mundo e um dos melhores do mundo no geral! Admiro especialmente no futebol jogadores com funções defensivas (ex. centrais e trincos) e o R.Carvalho é sem dúvida o que me dá mais gozo ver jogar, pela segurança, velocidade, liderança e acima de tudo a intelegência que demononstra em campo. Além disso é um jogador completo que sabe estar em campo e pode jogar em mais do que uma posição com elevados niveis de eficiência. Pura classe!

Anónimo disse...

Posso confirmar que, de facto, o R.Carvalho na estreia deu de bandeja o golo do Salgueiros com um mau atraso para o Guarda-Redes (já não me lembro quem era).

Na altura foi o o-1 ou 1-1 e mas reacção no Estádio foi um aplauso estrondoso de apoio ao R. Carvalho [o jogo deve ter acabado 4-1 para o Porto]. Ainda bem que nesse tempo ainda não se "queimavam" jogadores ao primeiro jogo, caso contrário a Carreira do R. Carvalho poderia ter sido bem mais incógnita.

Mais uma curiosidade interessante - no tempo do António Oliveira, a equipa tinha 3 centrais com lugar certo no plantel: Aloísio, J. Costa e João Manuel Pinto (que Oliveira adorava, ao ponto de ser também a primeira opção para ponta-de-lança, sempre que era necessário inverter resultados). Sobrava uma vaga, e 2 jogadores para a ocuparem: Ricardo Silva (hoje no Boavista) e R. Carvalho. Oliveira escolheu R.Silva mas Pinto da Costa não permitiu a dispensa do Carvalho porque o considerava uma "aposta pessoal" sua. Mais uma vez, a história podia ter sido muito diferente...

Oliveira nunca foi grande treinador.