26 de setembro de 2010

Osvaldo Cambalacho

Osvaldo Marques Cambalacho nasceu no dia 12 de Setembro de 1924 no Seixal.
Foi no clube da sua terra natal que iniciou a carreira de futebolista.
Na temporada de 1951/52 ingressou no Futebol Clube do Porto, mas foi já com o técnico Dorival Yustrich no comando dos portistas que Cambalacho ganhou um lugar na defesa, depois do treinador brasileiro dispensar o até então titular Ângelo Carvalho.
Mas foi nessa temporada de 1955/56 que 16 anos depois, o F.C. Porto voltou a vencer o Campeonato Nacional e também venceu a sua primeira Taça de Portugal, que Cambalacho teve um papel importante na equipa ao ser um dos três jogadores que realizou todas as 26 partidas do campeonato nacional.
Na temporada seguinte venceu a Taça Associação de Futebol do Porto e no final da época terminou a carreira de jogador.
Passou depois a treinador tendo passado pelo Boavista F.C. em 1966 onde garantiu a subida à 1ª Divisão pelo clube do Bessa.

Palmarés
1 Campeonato Nacional da 1ª Divisão (Portugal)
1 Taça de Portugal
1 Taça Associação de Futebol do Porto

10 comentários:

Dragão Azul Forte disse...

Cambalacho(Osvaldo Marques Cambalacho)foi, de facto, o substituto do "mítico" Ângelo Carvalho, "capitão" portista e da Selecção Nacional, que havia sido relegado pelo treinador brasileiro para o Salgueiros, com Barrigana, antes do início da época de 1955-56. Dizia-se, na altura, que de um "toco de vassoura" Yustrich fez um jogador.
É ainda hoje considerado um dos melhores defesas-esquerdos da história do FC Porto e do futebol português e jogou na forte e coesa defesa azul-e-branca constituída por, além dele, os guarda-redes Acúrcio ou Pinho, o lateral-direito Virgílio e os centrais Miguel Arcanjo e Monteiro da Costa.
Faleceu no Porto e, apesar de ser do sul, foi por vontade própria sepultado na capital do Norte

Anónimo disse...

Para o Salgueiros, além do Angelo Carvalho, seguiriam tbm Poucel e Eleutério.

Se Cambalacho sucedeu ao mítico Angelo Carvalho, àquele sucederia António Barbosa(de 1957 a 1963),um dos dois jogadores ainda vivos da célebre equipa do"título calabote" (de 1958/59).

O outro é... Carlos Duarte!

Para quando recordar (aqui) o Barbosa? Sabe-se que reside em Ramalde (Rua Ramalde do Meio).

Desse plantel, que se saiba, ainda existem vivos, o Américo e um dos irmãos Sarmentos(Angelo ou Albano)

dragao vila pouca disse...

Não posso dizer muito, desses tempos não lembro nada, mas pelo que ouvi falar, era daqueles jogadores certinhos, que raramente comprometem, não era uma estrela, mas era fiável.

Um abraço

Catarina Cambalacho disse...

Obrigado pelos comentarios ao meu querido avô..Só uma correcção..ele está sepultado no sul, no seixal, e por sua vontade própria!

Um beijo avô e uma estrelinha para ti!

Anónimo disse...

Impressionante o "testemunho" da neta Catarina... pela coragem!

Não sabemos dizer porquê mas tbm estavamos convencidos que estaria aqui a Norte sepultado, e até em... Ermesinde!

Temos uma ligeirissima memória do Osvaldo Cambalacho como jogador (nascemos em 1948) mas lembramo-nos bem que era um treinador
"especialista" em subir equipas!

Assim como nos lembramos bem de um episódio passado entre mim e os meus pais.

Tinhamos aí uns 10/12 anos quando viemos almoçar ao restaurante dele ("O Cantinho - ou "Abrigo"(?) do Porto") que existia na P Batalha (inicio da Rua Stº. Ildefonso - o edificio ainda existe mas está há mto encerrado).

O "reclamo" à porta era um "boneco-jogador equipado à Porto", lembra-se?

E lembro-me do meu pai me dizer:
"sabes quem é este senhor? É o Cambalacho do Porto".

Isto foi no fim dos anos 50 ou princípios dos anos 60!

Nunca mais me esqueci do episódio!


Um beijinho para a D. Catarina!

Catarina Cambalacho disse...

Mais uma vez Obrigado!

Ele sempre morou em Ermesinde mas ficou sepultado no seixal..

O restaurante era o Porto de Abrigo..também sei de muitas historias..quando menos espero o meu pai lá me começa a contar!
Ainda sou nova..tenho 28 anos..mas a verdade é que o meu avô é a minha referencia e sinto-me muito orgulhosa por tudo o que se escreve sobre ele..

Para além de amigo,pai, companheiro,esposo o meu avô era simplesmente único..especial..um principe!!

Obrigado por ser lembrado da maneira mais carinhosa por todos voces!!

Anónimo disse...

Catarina:


Terá mesmo razão para se orgulhar pq se não me lembro bem do Osvaldo Cambalacho como jogador (tinha eu 9/10 anos qd ele saiu do FC Porto) já como técnico foi tb de grande valor.

E se tinha as caracteristicas de carácter que diz o avô ter tido, é de um especial elogio, tendo em conta os comportamentos sociais da generalidade, naquele tempo, da chamada "gente da bola", muito abaixo do exigido pela iletracia mas de grande disponibilidade para o chamado... "povo da bola".

Fazemo-nos entender?

Mas era o tempo em que, aí sim, os verdadeiros ídolos eram mesmos os futebolistas.

Hoje são os... dirigentes (com a agravante destes serem pagos a
"peso de ouro").

Na altura do avô, o grande Osvaldo Cambalacho, os futebolistas até conviviam com os adeptos anónimos, lembrando-me que na rua onde nasci (Santo Isidro - próximo das Antas) aquando das festas sanjoaninas os futebolistas tbm participavam nos bailaricos, recordando-me mto bem sobretudo do Paula, e do Serafim que eram uns "ferrinhos".

Na lojas, nos restaurantes, nas tascas...

Uma outra recordação que tenho, a exemplo da do Osvaldo Cambalacho: uma tarde o meu falecido pai,tinha
eu uns 10 anos, foi beber um copo ao "Rei dos Presuntos"(na Rua Cimo de Vila)e estava ao balcão a beber o grande PINGA, Artur de Sousa, para muitos o melhor jogador de todos os tempos.

E disse-me: "aquele que está ali é o PINGA".

Fica-nos para sempre na memória. É o tempo em que a paixão além de se estender pelo Clube, os ídolos, os verdadeiros, eram os... JOGADORES.

Eram raros os autógrafos (acho até que nem existiam) mas o poder olhá-los, tocar-lhes... enfim. Hoje em dia, pasme-se, até os presidentes dão autógrafos.

Hoje, com 46 anos de filiação ao FC Porto (01.10.1964) mas mais de 50 de paixão ao Clube, os ídolos terminaram com o Américo, o Rolando, o Nóbrega e o... Pavão.

A última vez que vi (e estive) com Osvaldo Cambalacho foi em 1987 (ou 1988?) aquando da homenagem a Iustrich, no jantar na "Varanda da Barra" possuindo fotografias do evento, tendo levado uma separata de 1955/56 onde a coloquei (numa floreira) atrás do Mesa, e que se vislumbra em várias fotos.

Aproveitei,inclusivé,para colher autógrafos dos presentes nessa separata, inclusivé a do seu avô!

Nunca mais o vi!

Parabéns por ser neta do grande OSVALDO CAMBALACHO!!!


PS- Um agradecimento ao dono deste maravilhoso blog ESTRELAS DO FCP.

JC disse...

Foi treinador do Juventude de Évora em 1973.

Anónimo disse...

O meu pai é afilhado do Osvaldo Cambalacho...penso q por isso se deve o seu nome...Osvaldo Manuel Silva. Ele nunca mais teve contacto com ninguém da familia...nem sei muito bem como tudo surgiu...mas é uma realidade esta história.

Anónimo disse...

Osvaldo Cambalacho segundo o meu pai seu afilhado (Osvaldo Silva) tinha 2 filhos. Meu apenas recorda os nomes de "Nocas" e "Jocas". Foi varias vezes a sua casa em Ermesinde mas recorda q tb morou na Maia onde sempre frequentou a barbearia do tio do meu pai sr Albino. O seu restaurante que mencionam aqui foi o primeiro na cidade do porto a servir caracois...