12 de junho de 2011

Sebastião Ferreira Mendes


Sebastião Ferreira Mendes foi o 12º Presidente do Futebol Clube do Porto. Comandou o clube em dois períodos diferentes. Primeiro entre 1927/28 e mais tarde, entre 1932/34.
Em 1928 teve dois dos seus melhores atletas em plano de destaque. Valdemar Mota, extremo-direito, ao serviço da Selecção Nacional esteve em Amesterdão nos Jogos Olímpicos, tornou-se assim no primeiro portista a ter essa honra. Acácio Mesquita, avançado-centro, praticava também atletismo e foi campeão nacional de triplo-salto.
No segundo mandato de Sebastião Ferreira Mendes, o F.C. Porto iniciou-se na modalidade de Andebol e vê a sua sede ser transferida, em 1933, para a então denominada Praça do Município, que nos dias de hoje é Praça General Humberto Delgado.
Em 1932 os Dragões vencem o seu terceiro Campeonato de Portugal depois de derrotarem na finalíssima o C.F. Belenenses por 2-1 com golos de Pinga e Carlos Mesquita.
Pinga que quando ingressou no F.C. Porto foi trabalhar para fábrica de Sebastião Ferreira Mendes, o que motivou alguma polémica, com o seu anterior clube, o Marítimo S.C. a acusar os portista de falsificação de documentos.
Em 1935 e já depois de deixar os comandos do F.C. Porto, Sebastião Ferreira Mendes, juntamente com Bento Correia, foram a voz de um grupo de sócios que deram inicio a uma subscrição pública para oferecer medalhas aos campeões de 1934/35.
No dia 13 de Setembro de 1938 Sebastião Ferreira Mendes tornou-se no primeiro portista a ser condecorado com o título de Presidente Honorário do clube.

2 comentários:

Armando Pinto disse...

Como ja´ aludi num artigo no m/ "Longara..." Este Ilustre Portista e Presidente Honora´rio do FCP ficou ce´lebre por durante muitos anos ter disponibilizado sua quinta, ribeirinha ao Douro, para os lados de Oliveira do Douro, para festejos de homenagens a campe~oes do clube e outras festas de conv´ivio clubista...

dragao vila pouca disse...

Todos os que serviram dedicadamente o F.C.Porto merecem o respeito de toda a família portista. Não conheço muito da obra deste senhor e portanto limito-me a dizer o óbvio.

Um abraço