12 de março de 2012

Carlos Alves


Carlos Alves nasceu no dia 10 de Outubro de 1903 em Lisboa.
Começou a jogar futebol no Carcavelinhos F.C. e foi no clube lisboeta que nasceu a história das luvas pretas que Carlos Alves viria a usar.
Antes de uma partida contra o S.L. Benfica, uma pequena admiradora chegou perto dele e pediu-lhe que usasse as suas luvas pretas para dar sorte. Carlos Alves disse então à pequena rapariga que não podia usar as luvas porque o futebol era um jogo bastante sério para estar com brincadeiras.
Chegando o jogo ao intervalo, a equipa de Carlos Alves estava em desvantagem no marcador. É quando o defesa descobre no bolso dos calções as luvas pretas. Calçou as luvas e regressou ao campo para disputar a segunda-parte. No fim do jogo o Carcavelinhos deu a volta ao resultado e venceu o S.L. Benfica, a partir desse dia Carlos Alves nunca mais deixou de jogar com as luvas pretas calçadas.
Na temporada de 1927/28, quando ainda representava o Carcavelinhos F.C. venceu o Campeonato de Portugal.
Em 1933/34 rumou ao Académico F.C. onde jogou durante duas épocas.
Na temporada de 1935/36 ingressou no Futebol Clube do Porto.
A estreia com a camisola azul e branca dos Dragões aconteceu no dia 13 de Outubro de 1935 quando os portistas visitaram e venceram o Boavista F.C. por 7-1, numa partida a contar para a 1ª jornada do Campeonato Regional do Porto, competição que Carlos Alves ajudou a conquistar para o F.C. Porto nessa época de 1935/36.
Ao serviço dos Dragões Carlos Alves disputou 24 partidas oficiais, distribuídas por 14 para o Campeonato Nacional, 1 a contar para o Campeonato de Portugal e 11 no Campeonato do Porto.
Na época seguinte voltou ao Académico F.C. onde jogou mais uma temporada.
Carlos Alves foi internacional por 18 vezes e participou ainda nos Jogos Olímpicos de Amesterdão de 1928.
Depois de terminar a carreira de futebolista foi treinador e passou por diversos clubes.
Faleceu no dia 12 de Novembro de 1970. Dias depois, o seu neto João Alves, também futebolista, passou a usar luvas pretas como forma de homenagem para com o seu avô.

Palmarés
1 Campeonato de Portugal
1 Campeonato do Porto

6 comentários:

Anónimo disse...

Caro amigo Paulo Moreira

Como sócio e adepto do FCP, quero dr-lhe os meus parabéns pelo seu blog, do qual me vou tornar seguidor. Queria apenas alerta-lo para a falta de uma pessoa que considero importantíssima na historia recente do FCP, que é o Vice Presidente para o futebol Luís Teles Roxo, (falecido num trágico acidente de viação em 1991), um dos obreiros da conquista que foi a Taça dos Campeões em 1987.
Saudações desportivas e um abraço

Anónimo disse...

A que razão vem Teles Roxo aqui?

Tratou-se, de facto, de um grande dirigente (aquando director nas modalidades de Andebol e Voleibol).

Seria "repescado" para o futebol substituindo Pinto da Costa na sequência do infeliz "verão quente/
1980"que provocaria acesa polémica com o actual presidente do Clube.

Seria por este "recuperado" em 1986engolindo ambos muitos "sapos vivos"


Assim se faz... Memória!

Anónimo disse...

´a falta de uma pessoa que considero importantíssima na historia recente do FCP´:


- Alfredo Borges,
- Alfredo Bastos,
- Engº Armando Pimentel,
- Manuel Borges,
- Jeremias Neves, e
- Alexandre Magalhães,

os três últimos com muito para contar, mas, infelizmente (ou felizmente)só os últimos dois ainda vivos.


Antes destes, Pinto de Magalhães, Nascimento Cordeiro, Dr. Cesário Bonito,Dr. Angelo César,Dr. Hurgel Orta, etc., etc.

Era o tempo dos Dirigentes não remunerados...

Não ganhavamos tanto no futebol? Certo! Mas eramos campeonissimos no Andebol, no Ciclismo, no Hóquei Campo, no Voleibol (estas últimas três extintas a partir de... 1983),
tinhamos pistas,pavilhões, campos de treino, piscinas, etc., etc.

rogério paulo almeida disse...

Se me permite, caro Paulo Moreira: ó anónimo Adriano Correia, Nascimento Cordeiro? O seu antigo patrão? Aquele que colocou o próprio Clube em tribunal, enxovalhando-o na praça pública? Tenha dó de nós com os seus tristes comentários. Não tenha tantos maus fígados com quem, por algum motivo por si inconfessável, não gosta, defendendo constantemente o indefensável e atacando continuamente a despropósito e de forma reles. Esse sentimento de inveja só lhe traz dissabores e faz-lhe mal à saúde. Deixe-se disso.

Anónimo disse...

Reflexões(com todo o respeito,como sempre):

Quando não nos pagam o que devem o que costumamos fazer? Tentar Ser ressarcidos a bem! Mas se tal se frustrar... pela via judicial.

Foi o que aconteceu entre o Snr. Nascimento Cordeiro (ex Presidente Honorário do FC Porto) e a própria instituição FC Porto à altura pelo Snr Afonso Pinto de Maqalhães presidida.

Esteve em causa a electrificação do Estádio e umas letras de valor avultado. Isto em 1962 um ano após o inicio do seu mandato qu duraria até 1965.

Em 1967 seria, de facto, accionado o Clube (quem havia de ser?) por birra e teimosia do Sr. APM e que chegaria à humilhante penhora dos troféus,sendo o problema resolvido pelos sócios,em Assembleia Geral, no pagamento de cota suplementar de 5 escudos até execução final da dívida.

Recebido o valor dessa dívida pelo Executor da Penhora(JNC)este dou à Sociedade Protectora dos Animais
a sua totalidade.

Mecenas mas não tanto!Ao contrário de hoje... remunerados mas não tanto.

O amigo rogério paulo (nome grande de actor português mas já falecido)
Almeida parece que tbm tem "veia" pke ficcionou. No nome e no patrão.

Distingue-nos, todavia, alguma coragem (no ou sem o anonimato). Mas não consideramos mesmo muito relevante.

Vê-se, todavia, que é uma pessoa com sensibilidade qdo recomenda cuidados com a saúde! Sobretudo com a figadeira. Obrigado! Mas não se preocupe pke não bebemos.


Um abraço extensivo ao amigo Paulo Moreira e felicitações por este fim de semana desportivo em cheio.

Dragão Azul Forte disse...

Este "Anónimo" é habitual na crítica mordaz e, pior que isso, sem sentido. Gosta de derrubar... Tem toda a razão o Rogério Paulo Almeida. Amigo Paulo Moreira, para a frente é o caminho...
Abraço.