18 de maio de 2008

Jorge Costa


Jorge Paulo Costa Almeida nasceu no dia 14 de Outubro de 1971 na cidade do Porto.
Começou por jogar futebol no F.C. Foz e aos 14 ingressava no Futebol Clube do Porto.
Na temporada de 1990/91 estreou-se como sénior e foi emprestado ao F.C. Penafiel onde assumiu uma grande importância na equipa orientada por Victor Manuel para o clube assegurar a permanência.
Na época seguinte de novo foi emprestado mas desta vez rumou à ilha da Madeira para jogar pelo Marítimo S.C.. Com a camisola do clube insular, Jorge Costa viveu um episódio caricato. No jogo contra o Futebol Clube do Porto no estádio dos Barreiros, marcou o único golo do encontro, mas na sua própria baliza. Foi um mau momento que com a ajuda dos colegas e do seu treinador, Paulo Autuori, ultrapassou. Nessa época no clube madeirense, Jorge Costa fez 31 jogos e falhou apenas 3 por castigo.
Na temporada de 1992/93 regressou ao Futebol Clube do Porto para fazer parte do plantel que era comandado pelo brasileiro Carlos Alberto Silva. Na estreia do campeonato dessa época, assumiu a titularidade e marcou o único golo com que o F.C. Porto venceu o Estoril Praia. Apesar de não ter sido muitas vezes chamada à titularidade, por culpa de Aloísio e Fernando Couto que eram os habituais titulares, ainda assim fez 9 jogos e marcou 1 golo, o tal da vitória contra o Estoril Praia. E no final da época sagrou-se pela primeira vez Campeão Nacional. Conquistou a Supertaça ao derrotar o S.L. Benfica em Coimbra. Foi também nesta temporada que Jorge Costa se estreou a jogar na Liga dos Campeões e onde apontou o seu primeiro golo nesta competição na primeira ronda quando o Futebol Clube do Porto eliminou o U.S. Luxembourg.
Na temporada de 1993/94 venceu a Taça de Portugal contra o Sporting C.P. no Jamor, a Supertaça contra o S.L. Benfica em Paris, e somou mais de 20 jogos a contar com todas as competições, um desses jogos foi na Alemanha contra o Werder Bremen a contar para a Liga dos Campeões onde os portistas venceram por 5-0.
Na época seguinte festejou o seu segundo título e o primeiro da grande caminhada para o Penta-Campeonato.
Em 1995/96 juntou a conquista da Supertaça ao título de Campeão após ter derrotado o S.L. Benfica por 1-0 no estádio das Antas e 5-0 no estádio da Luz, onde foi o autor do terceiro golo da histórica goleada. Mas nesse ano de 1996 durante o mês de Abril uma grave lesão pô-lo de fora do resto da época e acima de tudo do Europeu de Inglaterra de 96.
Na pré-época de 1997/98 o Futebol Clube do Porto viagou até a Suécia para lá fazer o estágio. Num dos primeiros treinos da nova temporada e ao tentar antecipar-se ao polaco Mielcarski, Jorge Costa lesionou-se de novo com gravidade, rotura do ligamento cruzado anterior. A meio da época estava recuperado e de regresso aos estádios de futebol ainda bem a tempo de se sagrar Tetra-Campeão e vencer a Taça de Portugal.
Para a época de 1998/99 o Futebol clube do Porto apostou em Fernando Santos para orientar a equipa e de novo conquistou o Título de Campeão. No dia 22 de Maio de 1999 o F.C. Porto jogava em Alvalade contra o Sporting C.P. o outro candidato ao título jogava também nesse dia mas antes do jogo dos Dragões, com o empate do Boavista F.C. em Faro, os azuis e brancos sagraram-se Penta-Campeões mesmo antes do jogo contra o Sporting C.P. começar. Quando os jogadores portistas entraram em campo para fazerem os habituais exercícios de aquecimento, dirigiram-se logo para o topo norte do estádio José de Alvalade para festejarem com os adeptos azuis e brancos. O jogo passou para segundo plano e a equipa da casa adiantou-se no marcador mas depois Zahovic igualou o marcador com que se chegou ao final do jogo. Depois foi a viagem de regresso à cidade invicta onde chegaram nas primeiras horas da madrugada à Praça da Liberdade onde muitos milhares de portistas esperavam os jogadores da única equipa portuguesa que até aos dias de hoje se sagrou Penta-Campeão.
Na temporada de 1999/2000, Jorge Costa levantou a Taça de Portugal o que veio a repetir-se na época seguinte.
Para 2001/02 com a saída de Fernando Santos o F.C. Porto apostou em Octávio Machado para comandar a equipa, mas com o passar do tempo ficou provado que tinha sido uma aposta falhada e só ficou na Antas até Janeiro, mas pior do que isso foi esse treinador que empurrou Jorge Costa para fora do seu clube do coração. Assim em Dezembro no dia 2, Jorge Costa partiu para Inglaterra onde iria jogar no Charlton F.C.. No final dessa temporada e devido às boas exibições que fez em Inglaterra, o clube londrino tentou comprar o jogador português, mas o novo treinador do Futebol Clube do Porto, José Mourinho, disse que Jorge Costa era imprescindível e que tinha de regressar ao seu clube de sempre.
Para a época de 2002/03, Jorge Costa era o capitão da equipa que apresentava muitas caras novas mas que no final do campeonato se sagraram Campeões Nacionais e venceram a Taça de Portugal e mais importante ainda, foi Jorge Costa que levantou a Taça UEFA em Sevilha depois do F.C. Porto derrotar o Celtic de Glasgow.
Na temporada seguinte de novo sob o comando de José Mourinho, o F.C. Porto começou por vencer a Supertaça ao derrotar a União de Leiria em Guimarães, mas já não teve a sorte pelo seu lado quando foi ao Mónaco para medir forças com o A.C. Milan para disputar a Supertaça Europeia. No que diz respeito ao campeonato, o F.C. Porto sagrou-se Bi-Campeão. Mas o grande feito dessa época foi a conquista da Liga dos Campeões. Na cidade alemã de Gelsinkirchen os portistas fizeram valer toda a sua classe para vencerem de forma clara o A.S. Mónaco por 3-0. Jorge Costa juntamente com Vítor Baía, lá estava mais uma vez como capitão de equipa para levantar o mais cobiçado troféu a nível de clubes. Como sempre as ruas da cidade do Porto encheram-se de portistas que esqueciam todos os seus problemas do dia-a-dia para unicamente festejarem a grande vitória do seu clube.
A temporada de 2004/05 foi de mudanças tanto de treinadores como de vários jogadores. A nível interno o F.C. Porto conquistou a Supertaça em Coimbra ao vencer o S.L. Benfica por 1-0 através de um grande golo de Quaresma. Quanto a nível internacional, na Liga dos Campeões chegou aos oitavos de final onde foi eliminado pelo Inter de Milão, mas em Dezembro o nome do Futebol Clube do Porto voltou a correr mundo depois da conquista da Taça Intercontinental no Japão onde os portistas derrotaram a equipa colombiana do Once Caldas. Mais uma vez foi Jorge Costa que ergueu pela última vez a Taça Intercontinental que sagrou o F.C. Porto como Campeão do Mundo de Clubes.
Para 2005/06 chegou um treinador holandês que vinha rotulado de disciplinador. Com ele Jorge Costa passou a ser a quarta opção e só jogou na pré-época. Assim Jorge Costa mais uma vez, vê-se obrigado a deixar o seu clube de sempre e rumar ao estrangeiro onde se juntou ao seu ex-companheiro do F.C. Porto, Sérgio Conceição, no Standard de Liége, clube onde viria a terminar a sua brilhante carreira de futebolista em Outubro de 2006.
Em Dezembro desse mesmo ano começa uma nova fase da sua vida ao ser treinador adjunto de Rogério Gonçalves no S.C. Braga, para em Fevereiro de 2007 assumir o comando técnico dos bracarenses depois da saída de Rogério Gonçalves. Manteve-se a treinador dos minhotos até que em Outubro o clube prescindiu dos seus serviços. Em 2008/09 assumiu o comando técnico do S.C. Olhanense e levou os algarvios de novo ao escalão máximo do futebol portugues, isto depois de se ter sagrado Campeão Nacional da 2ª Liga. Jorge Costa continuou em Olhão na temporada seguinte. No verão de 2010 passou a treinar a Académica de Coimbra, no entanto em dezembro desse mesmo ano abandonou o comando dos estudantes e ao mesmo tempo anunciou que deixaria o mundo do futebol. Mas o afastamento durou poucos meses porque em Maio de 2010 assinou pelos romenos do F.C. Cluj, onde conquistou o Campeonato Romeno. Em Abril de 2012 foi afastado pela direcção do comando técnico do clube romeno. Rumou depois ao Chipre para comandar o A.E.L. Limassol na temporada de 2012/13 e o Anorthosis Famagusta F.C. em 2013/14, no entanto regressa a Portugal em Fevereiro de 2014 para assumir o comando do F.C. Paços de Ferreira, consegue manter o clube pacense na 1ª Liga mas deixa o clube no final da temporada. Em Julho de 2014 aceitou o convite da Federação do Gabão para ser o treinador da sua Selecção Nacional.
No dia 25 de Julho de 2014 voltou a pisar o relvado do Estádio do Dragão e a vestir a camisola do Futebol Clube do Porto para o jogo de homenagem e despedida de Deco.

Palmarés como jogador
1 Taça Intercontinental
1 Liga dos Campeões
1 Taça UEFA
8 Campeonatos Nacionais da 1ª Divisão (Portugal)
5 Taças de Portugal
7 Supertaças Cândido de Oliveira

Palmarés Como treinador
1 Campeonato Nacional da 2ª Divisão (Portugal)
1 Campeonato da Roménia

6 comentários:

miguel87 disse...

Obrigado Capitão (o último grande capitão!?). Espero por ele um dia no banco, desta vez com a braçadeira de treinador.

dragao vila pouca disse...

J.Costa foi um grande defesa e uma referência, pena que no final da carreira, tenha tomado uma atitude que para um nº2 do F.C.Porto me desiludiu bastante.
Um abraço

katarynah9 disse...

tão grande, tão grande :)
enorme capitão!

saudades do BICHO :')

o que vale é este campeonatozinho de indoor soccer em que se vê que o '2' dá uns bons toques ! :D

MR. HEAVY disse...

grande jorge!!! deixou saudades.... é um senhor!!!!!!!!!!!

Anónimo disse...

Obg por tudo capitão
nunca te esqueceremos
para sp o nosso capitao
www.euteamoporto.blogspot.com

Anónimo disse...

Sem duvida... O melhor Capitão...

Este homem é um capitão...

Podia um jogo estar perdido, mas ele nunca se rendeu... Um portista, sem duvida como poucos....

um SENHOR...